Subiu para 908 o número de mortes pelo novo coronavírus, informou neste domingo (9) o governo chinês. A quantidade de vítimas fatais já é maior do que a da epidemia da Sars.

Em toda a China, 40.171 casos de infecção pelo vírus foram confirmados e 23.589 estão sob suspeita. Apenas na província de Hubei, epicentro da doença, foram 2.618 novos casos confirmados neste domingo.

Uma “missão internacional” de especialistas partiu para a China na noite deste domingo para tentar conter a disseminação do coronavírus, anunciou o diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. À frente da missão está Bruce Aylward, que já liderou outras emergências sanitárias.

No sábado, a OMS disse que o número de casos de contaminação detectados diariamente na China havia se estabilizado, mas que era cedo demais para afirmar que a epidemia havia superado seu auge, segundo a AFP.

“Registramos um período de estabilidade de quatro dias, em que o número de casos relatados não aumentou. Isso é uma boa notícia e pode refletir o impacto das medidas de controle implementadas”, afirmou o responsável dos programas sanitários de emergência da OMS, Michael Ryan.

Para o cientista americano Ian Lipkin, da Universidade Columbia, a epidemia pode atingir seu pico nas próximas duas semanas antes de retroceder acentuadamente, apesar de ser esperado um aumento pontual quando as pessoas retornarem maciçamente ao trabalho.

O Banco Central chinês (PBOC) anunciou neste domingo (9) que destinará US$ 43 bilhões para ajudar empresas afetadas no combate à epidemia.

Propagação mundial

A epidemia de coronavírus continua a se espalhar pelo mundo. Mais de 320 casos de contaminação foram confirmados em cerca de trinta países e territórios.

Cinco novos casos (quatro adultos e uma criança, todos de nacionalidade britânica) foram anunciados na França no sábado (8), elevando para 11 o total no país.

O Brasil continua sem nenhuma confirmação de contaminação pelo vírus. O país ainda investiga 11 casos.

Os 34 brasileiros que estavam em Wuhan, cidade mais afetada pela epidemia na China, e foram repatriados seguem em quarentena em Anápolis (GO). Eles e os 24 integrantes da tripulação que realizou o resgate continuam sem qualquer sintoma da doença, informou na noite deste domingo (9) o Ministério da Saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui