Após 100 dias da notificação dos primeiros casos de Covid-19, na cidade de Wuhan, na China, e de uma série de estudos científicos que buscam decifrar a doença, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reforçou sua preocupação com a gravidade da pandemia e anunciou novas medidas de enfrentamento.

Em coletiva, o diretor-geral da agência enfatizou que, ao contrário do que alguns seguem insistindo em dizer, as complicações causadas pela infecção pelo Sars-Cov-2 não são similares às de uma gripe comum.

Segundo Tedros Dhanom Ghebreyesus, a Covid-19 é 10 vezes mais letal e, também por conta disso, tem desestruturado os países atingidos.

“A disseminação global do vírus saturou os sistemas de saúde, alterou a economia mundial e causou paralisia social generalizada”, destacou.

Desde dezembro, há mais de 1,5 milhão de casos confirmados da doença e, ao menos, 93,7 mil mortes.

Segundo o líder da OMS, há uma preocupação maior quanto aos efeitos em populações mais pobres, principalmente na África, onde o novo coronavírus tem se espalhado com rapidez nos últimos dias — de domingo a ontem, foram contabilizados 2,2 mil dos 8,3 mil casos confirmados.

Devido ao cenário africano e ao de outras regiões menos favorecidas, a segunda edição do plano estratégico da OMS para tratar a Covid-19, com publicação prevista para os próximos dias, será focada em medidas de apoio a essas comunidades.

O novo guia terá cinco pontos-chave: mobilizar setores e comunidades; suprimir a transmissão; controlar casos esporádicos e combater a transmissão comunitária; atender os casos de forma adequada para reduzir a mortalidade; e incentivar o desenvolvimento de vacinas e terapias seguras e eficazes.

“Esses objetivos devem ser apoiados por estratégias nacionais adaptadas para encontrar, testar, isolar e atender a cada caso e rastrear cada contato”, defendeu Tedros Ghebreyesus.

“Nosso segundo plano de preparação e resposta estimará os recursos necessários para implementar estratégias nacionais e internacionais durante a próxima fase da resposta à pandemia. Estamos todos juntos nisso, e ainda temos um longo caminho a percorrer. Devemos colocar em quarentena a politização desse processo. Temos que trabalhar juntos, e não temos tempo a perder”, concluiu o diretor-geral da OMS.

Testes

A OMS também divulgou um relatório em que não aconselha o uso de testes rápidos de Covid-19 baseados na detecção de anticorpos.

A agência estima que mais da metade dos pacientes pode não ter a infecção detectada nesse tipo de exame, e que muitos falsos positivos ocorrem porque as tiras utilizadas reconhecem antígenos virais que não são os da Covid-19.

Pelas evidências atuais, a recomendação da agência é de que essas abordagens sejam usadas apenas em trabalhos de pesquisa.

Também divulgado ontem (9), um artigo científico chama a atenção para o fato de que a falta de confiabilidade desses diagnósticos cria um risco coletivo, já que há uma tendência excessiva de testes de Covid-19 para a tomada de decisões clínicas e de saúde pública.

“Um teste negativo geralmente não significa que a pessoa não tem a doença e os resultados do teste precisam ser considerados no contexto das características e da exposição do paciente”, alerta, em comunicado, Priya Sampathkumar, especialista em doenças infecciosas da Clínica Mayo e coautora do estudo, publicado na revista Mayo Clinic Proceeding.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui