Luanna Bringel, prefeita de Vitorino Freire

São inúmeros os exemplos de como os mecanismos de fiscalização dos órgãos de controle são falhos em um estado como o Maranhão, que possui a maior população rural do Brasil. Não é à toa que os escândalos de estradas fantasmas no estado já foram destaques, em diferentes épocas, com forte repercussão na imprensa nacional.

Em Vitorino Freire, a pouco mais de 300 km de São Luís, recursos federais não faltaram nos últimos anos. A aplicação da verba, no entanto, jamais será comprovada em sua totalidade.

Basta percorrer a maioria dos povoados, encravados em localidades de difícil acesso, para perceber que nenhum real foi investido nos quase quatros anos da administração municipal. Para se ter ideia, existem recursos liberados para obras desde 2017, que ainda constam no Portal da Transparência do Governo Federal com o status de “em execução”. As imagens atuais mostram a situação de completo abandono das estradas vicinais.

Estradas fantasmas

Somente no primeiro ano da gestão da prefeita Luanna Bringel (DEM), irmã do deputado federal Juscelino Filho (DEM), foram liberados 2 milhões, 920 mil, 602 reais da Codevasf, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba, para recuperação de estradas vicinais no município.

A primeira liberação de recurso do convênio, de 355 mil, 602 reais ainda conta como uma obra em execução. Mas no dia a dia da população, nunca houve uma única intervenção.

Em 2018, o Incra liberou 600 mil reais de um total de 990 mil reais para recuperação de 33,15 km de Estradas Vicinais em Projetos de Assentamento de povoados da zona rural. O convênio nº 853099 foi firmado em 2017. Três anos depois e quase no final do mandato da prefeita, a obra consta como em execução no Portal da Transparência.

De 2017 até novembro de 2020, foram 8 milhões, 159 mil e 970 reais liberados para a recuperação de estradas vicinais, em sua maioria pela Codevasf, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e pelo Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária).

São recursos que jorram dos cofres federais para os cofres do município, cujo destino é ignorado. Uma simples visita da Controladoria Geral da União do Ministério Público do Estado constataria o escândalo entre tantos de difícil acesso como são os povoados da zona rural onde vive a população maranhense mais sofrida.

Estrada fantasma em Vitorino Freire

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui