O Governo do Maranhão apresentou ontem (25) dados de aumento da ocupação de leitos exclusivos para pacientes com Covid-19 para sustentar uma nova narrativa de necessidade de medidas restritivas no estado.

Em tom de alarme, a SES culpou as festas de fim de ano pela recente alta e cobrou da população, mais uma vez, que cumpra medidas de distanciamento.

Chegou a proibir até mesmo pequenos eventos e reuniões – e depois voltou atrás (reveja).

O governo só não explica por que fechou tantos leitos que haviam sido instalados exclusimanete para o tratamento do novo coronavírus.

Os números são absurdos.

E tudo fica ainda pior quando lembramos que há quase um ano, quando das primeiras restrições impostas, a alegação era a de que se precisava de tempo para dotar a rede pública de saúde de estrutura necessária para receber os doentes.

Foram adquiridos respiradores, montados hospitais de campanha, contratados profissionais.

Obtiveram o tempo para isso à custa de lockdown e afins, instalaram os leitos e, na primeira folga, os fecharam. Muito provavelmente para economizar verba federal.

E agora querem novamente penalizar o cidadão e a economia como se não tivessem nenhuma responsabilidade pelo rumo que as coisas estão tomando.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui